IFALPA FTL-FRMS: GERENCIAMENTO DA FADIGA FOI FOCO DE ENCONTRO NO BRASIL

Nos dias 10 e 11 de outubro o SNA sediou pela primeira vez no Brasil o curso IFALPA FTL-FRMS, que reuniu em São Paulo aeronautas, membros da comunidade acadêmica - dentre os quais o Dr. André Frazão, do Instituto de Biociências da USP, e a Dra. Frida Fischer, da Faculdade de Saúde Pública da USP - e representantes das empresas aéreas e da ANAC para debater sobre sistemas de gerenciamento dos riscos da fadiga.

Com participantes vindos de 11 países, o evento se destacou como uma oportunidade ímpar para a troca de informações sobre como cada país e região, seus órgãos reguladores e seus operadores têm abordado o tema sob os prismas operacional e legal.

Partindo do viés técnico e do direcionamento prático, foram debatidos estudos científicos e programas de monitoramento da fadiga (Projeto Fadigômetro), programas de gerenciamento da fadiga em diferentes fases de implantação e funcionamento no Brasil e no exterior, e como os limites prescritivos têm sido trabalhados conforme as legislações mundo afora.

Sono, fadiga e sistemas de gerenciamento de riscos


Abrindo o IFALPA FTL-FRMS Training em São Paulo, o Dr. Adam Fletcher, professor da Universidade do Sul da Austrália e referência mundial nos estudos do gerenciamento dos riscos relacionados à fadiga no ambiente de trabalho, fez uma introdução à ciência por trás dos estudos do sono e fadiga.

As dificuldades e desafios enfrentados para entender como a fadiga afeta cada pessoa e potencializa os riscos para a operação, e como desenvolver um sistema eficaz de gerenciamento baseado nas particularidades de cada operação, onde todos os setores da área operacional falem a "mesma língua", foram as linhas mestras das apresentações realizadas pelo Dr. Fletcher nos dois dias de evento.

Fadigômetro


Após a primeira apresentação de dados do Fadigômetro, realizada no dia 2 de outubro durante reunião da Comissão Nacional de Fadiga Humana, foi a vez da comunidade internacional ter acesso às mesmas informações preliminares, trazidas pelo Cmte. Tulio Rodrigues (SNA).

O pioneirismo do projeto e a maneira como pretende determinar o nível de exposição dos tripulantes da aviação regular brasileira aos riscos da fadiga, permitindo a proposição de estratégias para sua mitigação, chamou a atenção e despertou o interesse de todos os presentes.

Embasado pelo conhecimento e experiência do seu corpo técnico, o Fadigômetro demonstrou em seus números preliminares o potencial que possui para jogar luz sobre o tema e promover um crescimento quantitativo dos índices de segurança operacional no Brasil.

Azul e o FRMS na empresa


Trazendo o ponto de vista dos operadores para o debate, a Azul foi uma das companhias aéreas presentes, representada pelos Cmtes. Ivan Carvalho (Diretor de Segurança Operacional) e Caio Garcia (Coordenador de Fatores Humanos), ao lado da Latam, que esteve representada pela Sra. Maria Angélica Aon (Fator Humano/DSO Corporativo).

A Azul abriu para os participantes a experiência de implementar um sistema de gerenciamento da fadiga em uma empresa de grande porte. Questões como cultura organizacional, cultura de segurança operacional, confiança entre empregado e empregador, funcionamento dos sistemas para reporte e montagem das escalas de voo, foram tópicos abordados.

A apresentação também contou com dados estatísticos, coletados por meio de reportes, pesquisas e eventos FOQA, a partir dos quais tem sido delineado o trabalho do departamento de fatores humanos na Azul.

Europa e América Latina


Os Cmtes. Javier Martín Chico, Diretor da ECA (European Cockpit Association) e da SEPLA (Sindicato Español de Pilotos de Líneas Aéreas), e Alejandro Juan Lópes Camelo, Facilitador de Fatores Humanos e Instrutor da ICAO para SMS/SSP (Safety Management System/State Safety Program), complementaram as apresentações com a visão dos aeronautas, como categoria, sobre o gerenciamento da fadiga.

A maneira como os FMP (Fatigue Management Programs) têm sido trabalhados pelas companhias aéreas europeias dentro do escopo legal e das diretrizes da EASA (European Aviation Safety Agency), e como as empresas têm explorado os limites da regulamentação de voo deram o tom da apresentação do Cmte. Javier Martín Chico.

Por sua vez, o Cmte. Camelo, falando sobre a realidade atual dos sistemas de gerenciamento da fadiga e os requerimentos para sua implementação, focou na necessidade de aproximação (e coesão) entre os aeronautas latino americanos para que tenham voz ativa no debate sobre segurança de voo.

Ressaltando o trabalho de construção de confiança entre tripulantes e empresa feito pela Azul, o Projeto Fadigômetro e as ações dos aeronautas brasileiros, o Cmte. Camelo encerrou os dois dias de evento colocando em primeiro plano a "peça" sobre a qual recai tudo o que foi discutido: o aeronauta.

Concluído mais um IFALPA FTL-FRMS, a ASAGOL parabeniza os palestrantes e organizadores pelo alto nível apresentado, e reforça o convite para que os aeronautas brasileiros tomem parte nas ações voltadas ao gerenciamento dos riscos da fadiga no país, apoiando o posicionamento da categoria quanto ao futuro RBAC de FRMS e participando do Projeto Fadigômetro.


© 2019 Associação dos Aeronautas da GOL - ASAGOL

Av. Washington Luís, 6817, sala 22, Santo Amaro, São Paulo-SP

Telefone: 11 5533-4197 | WhatsApp: 11 97691-6599 

Parceiros: